16 dezembro 2005

9 mm



22.53 horas. O Renault encontra-se parado em frente ao condomínio fechado. O Verão começa a fraquejar e à noite sente-se um fresco que passa pela camisa. João fecha quase na totalidade o vidro. Abre a garrafa térmica e verte o café para o interior da chávena que serve de tampa. Ele tem de sair. Os miúdos deram-lhe a certeza que hoje, o homem conhecido por Rogério ia tentar sair do país. No fim da rua há um bar. Consegue ver um casal a discutir. Ela, de cabelo comprido, atira-lhe com um dedo em riste mesmo junto aos olhos enquanto o rapaz desvia a cara para o lado. É sempre assim. Daqui a pouco estão aos beijos. É sempre assim, Pelo menos com os outros. João não consegue evitar um lampejo de Ana, sua ex-mulher, a sair de casa a dizer que não aguentava mais noites com a cama vazia e telefonemas a interromper refeições. Não aguentava o medo de poder ficar sozinha. Adeus, João.
O casal segue abraçado pela rua e ao passarem pelo carro olham distraidamente. João levanta a chávena em jeito de brinde. A miúda sorri a agarra-se ao braço do namorado.
FUBAR, diziam naquele filme do Spielberg. Enrosca a chávena na garrafa térmica. Aquela juíza também não está melhor. Pensa nos olhos instantaneamente alagados quando lhe disseram que suspeitavam que o marido estava envolvido na rede de pedofilia. E recorda-se da dor da garganta nem visível quando lhe perguntaram por que o marido tinha saído de casa.
Corre Elsa. Corre que o teu filho vai contigo. Eu não com quem correr. Só esta merda de noites. É, e depois alguém os absolve, Os heróis. As verdadeiras vítimas.
É ele. João contacta a esquadra.
Chefe, acho que apanhamos o homem. É para o seguir?
Sim. Vá para onde ele for. Já temos os mandados.
A perseguição inicia-se. As longas avenidas da capital permitem que o Renault siga despercebido o Mercedes conduzido pelo homem a quem chama Rogério. Dirige-se para o aeroporto. Vira repentinamente numa saída da circular. Passam por prédios altos e descampados. O Mercedes pára junto a um café. João encosta o Renault junto a um muro, duzentos metros atrás. O homem sai do café a correr e entra de rompante no carro e arranca a toda velocidade. João faz soar o turbo e parte no seu encalço. Em velocidade acima da lei, percorrem muitas ruas e avenidas até que num cruzamento o Mercedes abalroa um outro carro que tinha atravessado ao virar da luz verde. O homem sai do Mercedes e começa a correr pela rua. João não consegue fazer passar o Renault pelo emaranhado de carros que de imediato se formou junto do choque e saindo a correr persegue aquele que foi marido de Elsa enquanto chama por reforços pelo comunicador. Os tacões ecoam pelas ruas quase desertas. O peito adiantado enquanto a cabeça está ligeiramente para trás. João corre atrás do homem que vira numa rua tendo de se agarrar á parede para não cair, perdendo uma fracção de segundo que João aproveita. Enquanto corre e vira nessa rua, saca a arma do coldre. Vira de novo noutra rua e sente uma pancada na cara. Cai violentamente de costas. Um esgar de dor distorce-lhe as feições. Quando consegue apoiar-se num braço tem um cano de uma 9mm apontada aos olhos.
Então, herói! Pensavas que me apanhavas, não era meu filho da puta, diz o homem enquanto o pontapeia no estômago. João com o impacto é atirado para trás e fica de joelhos a deitar sangue pela boca.
Reza, reza que vais enfrentar o teu juiz. Devias ter desistido nos primeiros sinais. Não percebes, meu burro de merda? Não percebeste que alguém nos estava a avisar? E por que insististe? Ah! Querias limpar a escumalha. Limpa isto, limpa. O homem mete-lhe o cano da arma na boca.
João respira fundo e lentamente afasta a boca do cano até ele sair enquanto o homem sorri.
Quem é?
O sorriso transforma-se em espanto e depois numa gargalhada.
O rapaz quer saber quem o trai! Claro, digo-te já. Um murro atira o corpo de João para o chão que fica deitado de costas. A dor é insuportável mas acho que não se partiu. O homem aproxima-se. Para despedida, só te digo que nunca se deve confiar no motorista.
Xavier murmura João.
O homem aponta o cano para a cabeça de João enquanto se ouvem as sirenes dos reforços.
E o teu filho? Não o queres ver ou talvez o queiras dar aos teus amigos?
O homem detém o braço. Olha para o lado sempre com a arma apontada à cabeça de João. Boa tentativa, Sr. Inspector. Mas isso faz parte da minha outra vida. Esse não sou eu. Ele que fique com a juizinha que está bem. Adeus.
A bala atravessa o crânio de João que morre de imediato. Os carros policiais estão cada vez mais perto. O homem corre por uma rua estreita e entra noutro carro onde está um homem com as mãos fortemente agarradas ao volante. O carro abandona o local poucos segundos antes dos azuis chegarem.

Belle está na cama a beber chocolate quente. Na televisão passa a história do agente da P. J. que morreu na perseguição a um suposto pedófilo ligado à morte do Paulo. A jornalista interroga o Director que nada diz enquanto entra no edifício.
Isto está bonito, pensa Belle. Se a Simone estivesse aqui desligava a televisão e punha a sua música preferida. Bolero. Interminável sedução.
O director de cara cerrada está junto do corpo de João. O médico mostra-lhe o gravador. Intacto.

1 Comments:

Blogger markammons00636089 said...

Make no mistake: Our mission at Tip Top Equities is to sift through the thousands of underperforming companies out there to find the golden needle in the haystack. A stock worthy of your investment. A stock with the potential for big returns. More often than not, the stocks we profile show a significant increase in stock price, sometimes in days, not months or years. We have come across what we feel is one of those rare deals that the public has not heard about yet. Read on to find out more.

Nano Superlattice Technology Inc. (OTCBB Symbol: NSLT) is a nanotechnology company engaged in the coating of tools and components with nano structured PVD coatings for high-tech industries.

Nano utilizes Arc Bond Sputtering and Superlattice technology to apply multi-layers of super-hard elemental coatings on an array of precision products to achieve a variety of physical properties. The application of the coating on industrial products is designed to change their physical properties, improving a product's durability, resistance, chemical and physical characteristics as well as performance. Nano's super-hard alloy coating materials were especially developed for printed circuit board drills in response to special market requirements

The cutting of circuit boards causes severe wear on the cutting edge of drills and routers. With the increased miniaturization of personal electronics devices the dimensions of holes and cut aways are currently less than 0.2 mm. Nano coats tools with an ultra thin coating (only a few nanometers in thickness) of nitrides which can have a hardness of up to half that of diamond. This has proven to increase tool life by almost ten times. Nano plans to continue research and development into these techniques due to the vast application range for this type of nanotechnology

We believe that Nano is a company on the move. With today�s steady move towards miniaturization we feel that Nano is a company with the right product at the right time. It is our opinion that an investment in Nano will produce great returns for our readers.

Online Stock trading, in the New York Stock Exchange, and Toronto Stock Exchange, or any other stock market requires many hours of stock research. Always consult a stock broker for stock prices of penny stocks, and always seek proper free stock advice, as well as read a stock chart. This is not encouragement to buy stock, but merely a possible hot stock pick. Get a live stock market quote, before making a stock investment or participating in the stock market game or buying or selling a stock option.

dezembro 19, 2005 10:15 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home


Web Counter by TrafficFile.com